Prosopopeico

As vezes olho as paredes E parecem falar comigo Alguma coisa surda, Breve, opaca, indissoluta O no timbre insuportável dos seus versos Venho ver meu universo, entre dedos me escorrer E a cada gota suja da memória Essa dor é minha história Não é fácil de esconder Já inerte entre as notas frias da parede... Continuar Lendo →

NAVIO DE ESCRAVOS

[Paulo Henrique Sampaio] Vai passando em estrondos no mar Agitadas pelo vento, hordas levadas, iludidas e desconfiadas querendo  as conquistas de mar adentro   São milhares de homens e mulheres que esperam um salvador do povo para tirar da miséria e dar-lhes um mundo novo   O herói da revolução que fará tudo acontecer Enchendo... Continuar Lendo →

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: