piso frio do meu peito

andando descalça no piso frio do meu peito, tiro as roupas, estico-me em frente ao espelho. danço achando que tenho jeito, viro pros lados, estremeço, finjo que não existe mais nada. questiono-me quem sou mesmo que viva apenas o instante, dói não saber dizer nada… se sou pedaços do agora ou do passado, não entendo os... Continuar Lendo →

Ascético

Caras semi-amarradas movem-se vultosamente entre esquinas. Cada coração magoado traz a marca e traga cada nota das buzinas.   Em passos pálidos ligeiros, repreenchem cada vil espaço, entre roupas e dinheiros, entre a vida e o cansaço.   É quase tanto, e é tanto nada. Cada vida sem sentido. Cada ´´oi``  é quase um grito.... Continuar Lendo →

Rotineiro

Palmeiras crescem sobre as coberturas, as coberturas moram em cima dos prédios, os prédios cospem as pessoas de manhã, E as pessoas? As pessoas caem sobre o chão e dormem, morrem, escorrem pelos viadutos, entopem praças e botequins, amontoam-se sobre as calçadas, inchadas de ódio comum, puro, um ódio inocente, um ódio de gente. A... Continuar Lendo →

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: