piso frio do meu peito

andando descalça no piso frio do meu peito, tiro as roupas, estico-me em frente ao espelho. danço achando que tenho jeito, viro pros lados, estremeço, finjo que não existe mais nada. questiono-me quem sou mesmo que viva apenas o instante, dói não saber dizer nada… se sou pedaços do agora ou do passado, não entendo os... Continuar Lendo →

Look at me, Watercolor

A doçura dos meus versos nunca  descreveram os nuances do teu rosto, minhas palavras não couberam no papel. Ora, talvez fosse a tinta, de tão pouco doce esse azul marinho não pudesse traduzir você.eu, que hoje sou tão pouco, meu mundo menino, tão mindinho! Eu, que jamais coube em mim, que jamais soube de mim,... Continuar Lendo →

Per tutti gli scrittori

  Quando nos tornamos escritores assumimos, obrigatoriamente, a missão de traduzir fatos, costumes, sensações, emotividades, sentimentos, verdades e mentiras. Fazendo o que há milênios foi considerado o papel da filosofia: levar o homem ao pensamento e reflexão, tanto sobre si mesmo quanto ao universo a sua volta. E talvez por isso, não acredito muito na... Continuar Lendo →

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: