Hollow

Você percebe que Alguma coisa Bem importante Está quebrada Dentro de si Quando não é mais Capaz de sentir Aquela paixão Ávida, louca, infrene Dos velhos tempos Da adolescência Os lances são gélidos Com sorrisos amarelados Elas vêm e vão Falam e beijam Pedem e dão Mordem e cheiram. Só não me comovem Nem tiram... Continuar Lendo →

Dando um fim

Obrigado por me avisarQue eu estaria em perigoSim, decidi me arriscarMergulhei sabendo nadarÉ claro, conhecia os riscos Os fogos explodem lá foraEntre bebidas, mulheres, amigosSe Copacabana aguenta o marSuportará você tambémDando fim a sua história comigo Mas obrigado por me avisarQue eu estaria em perigoAgora, deixe-me comemorarOs fogos explodem lá foraHá comida e música ao... Continuar Lendo →

Venenosa

Eu compus, poetizei, filosofei, mas falhei. Falhei, reclamei e gaguejei. Gaguejei até ela se vestir, chorar, sair. Então falhei, gaguejei, reclamei e a perdi. Todos sabem que tentei, Tentei aquietar o jeito dela, Meio efusiva, Meio menina, Meio noturna, Meio perdida. Só não dei conta, Inferno! Ninguém dá conta. Ela não faz o tipo que... Continuar Lendo →

amalgamar

facada no peito que rasga sangra é soco no estômago grito no ouvido   sua palavra é   garoa de domingo som de cachoeira canto de pássaro ao meio-dia   sua palavra é   silêncio escandaloso sol escaldante arrepio na nuca voo desengonçado banho de rio   sua palavra é assim tudo amalgamado  

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: