Correspondência in-completa

XXXXX, XX XX XXXX

Escrevo agora, pouco mais das duas da manhã. O sono se foi. Poucas novidades. Dias têm sido repetitivos. Quase nada acontece e o que acontece pouco tem relevância.

Ando ficando sem assunto. Tenho lido pouco. Conversado pouco. Ando mesmo ficando sem assunto. Escrevo-te esta carta a lápis. Há muito não tinha escrito a lápis. Poder apagar os erros ma folha, poder reescrever sem enxergar os borrões. Tal experiência me fez refletir, e também pude constatar que não gosto mesmo de escrever a lápis. Fiz certa analogia com a vida e com algo que li dias atrás. Certas vezes, fico a pensar em como seria bom ter uma borracha para apagar os erros não apenas dos papeis, mas da vida também. Li, então, que “a vida é a soma de todas as experiências vividas” – friso aqui “todas” -, experiências essas que nos trazem para o agora. Que nos preparam para os momentos seguintes, entende? Poderia me alongar e debater várias questões aqui, mas já não tenho tanto vigor e ânimo para tais discussões.

Por diversas vezes já quis apagar determinadas coisas que vivi; hoje, ponho isso em dúvida. As incertezas, as dúvidas nem sempre são ruins. Tenho me construído e reconstruído dia a dia. É sempre assim, não é? Seres inacabados até o fim – o fim existe (?). Sempre buscando algo que nos possa completar. A incompletude é minha casa.

Acabaram-se as linhas do papel. Voltarei a escrever em breve, mas não espere pela correspondência; costumo deixar incompletas  todas…

A. E.

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: